calvicie-masculina-saiba-mais-sobre-esse-assunto.jpeg

Calvície masculina: saiba mais sobre esse assunto!

A calvície masculina, ou alopecia androgenética, é a causa mais comum para a queda de cabelo nos homens. Diretamente associada a fatores genéticos e hormonais, ela pode ser percebida precocemente e provocar problemas de autoestima e impacto emocional, principalmente nos pacientes mais jovens.

O primeiro sinal da alopecia androgenética é a rarefação capilar nas regiões temporais (regiões próximas à testa) e no vértex (topo da cabeça). Nos casos mais avançados ocorre a “morte definitiva” dos folículos capilares e a perda irreversível dos fios.

Uma grande parte dos pacientes acredita que não existe uma solução para a alopecia androgenética e que a aceitação seja a melhor escolha. Nem sempre é verdade! 

Contrariando esse pensamento, vou falar um pouco mais sobre essa doença neste post, explicando as causas e apresentando alguns possíveis tratamentos. Continue a leitura!

O que causa a calvície masculina?

Em um ciclo de vida normal, os  cabelos crescem por até 8 anos (fase anágena), param por alguns meses (fase catágena) e, em seguida, caem e permanecem em repouso por algumas semanas (fases telógena e kenógena). Logo após isso, são substituídos por fios mais novos e saudáveis.

Nos portadores da calvície, esse processo é mais rápido. A fase anágena é bem mais curta. O grande responsável por isso é o hormônio dihidrotestosterona (DHT), derivado da testosterona. Ele causa um encurtamento da fase de crescimento do fio, que perde a oportunidade de se tornar mais espesso e comprido, permanecendo fino e curto. Cada ciclo de vida é ainda mais curto. Esse processo é chamado miniaturização.

Ela também pode afetar as mulheres?

Ao contrário do que muita gente pensa, a calvície não atinge somente os homens  as mulheres também sofrem com a condição. Supõem-se que 80% dos homens sofrerão com a queda dos cabelos até os 70 anos. No caso das mulheres, 25% passarão pelo mesmo problema após atingirem os 30 e outras 50% depois da menopausa, por volta dos 45 anos.

A calvície feminina costuma ser em menor proporção, mas o modo em que afeta as mulheres é ainda mais traumático e doloroso que nos homens, já que, para elas, o cabelo muitas vezes é tido como símbolo de vaidade e personalidade. Além disso, pode provocar desconforto com a própria aparência, minar a autoestima e gerar quadros de estresse, ansiedade e, até mesmo, depressão.

Qual é o tratamento mais indicado para a disfunção?

A calvície masculina pode ser amenizada por meio de tratamento clínico. Geralmente, são indicados medicamentos que inibem a produção de dihidrotestosterona, como a finasterida, ou que estimulam o crescimento de um cabelo mais saudável, como o minoxidil.

O ideal é que esses métodos sejam utilizados por algum tempo, para que os resultados sejam calmamente analisados. Quem sofre com a calvície masculina deve procurar um dermatologista capilar o mais rápido possível. Só ele poderá avaliar detalhadamente o caso e, então, indicar o tratamento mais adequado.

E aí, gostou de saber mais sobre a calvície masculina e quais são os principais tratamentos para essa doença? Quer mais informações sobre dermatologia capilar? Então, não deixe de seguir as nossas páginas nas redes sociais para acompanhar todas as atualizações sobre esse assunto. Estamos no Facebook e no Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Navegação