Conheça a técnica do plasma rico em plaquetas para recuperar o cabelo!

3 minutos para ler

Perder os cabelos não é uma coisa fácil de aceitar, ainda mais para uma mulher. A alopecia androgenética feminina, a causa mais comum de rarefação progressiva dos fios, também chamada de calvície feminina, provoca falhas no couro cabeludo. Para tratar esse problema, uma das opções disponíveis é o plasma rico em plaquetas (PRP).

Essa técnica, que já vem sendo utilizada há muito tempo na área da medicina no tratamento de lesões articulares relacionadas ao esporte, é considerada uma terapia eficiente para o problema.

Neste artigo, selecionei as informações mais importantes sobre o PRP para que você conheça mais sobre essa alternativa de tratamento. Vamos conferir?

O que é plasma rico em plaquetas?

O PRP é uma parte do sangue do paciente e produzido por meio de um processo de centrifugação. Assim, são separados os leucócitos, as hemácias e o plasma sanguíneo, no qual ficam concentrados em altas quantidades de plaquetas com seus valiosos fatores de crescimento. 

Esses fatores de crescimento atuam na cicatrização e regeneração de tecidos e, no couro cabeludo, estimulam o folículo piloso, o qual passa a ter uma maior espessura e um aumento de tamanho (em número e estímulo de crescimento de novos fios de cabelo).

Este tratamento é realmente eficaz?

A maioria dos estudos realizados com o plasma rico em plaquetas aborda relatos de casos, que não são tão criteriosos como ensaios clínicos randomizados. Apesar disso, há indícios fortes de que essa técnica é realmente efetiva e segura, atuando de forma positiva no aceleramento da regeneração e cicatrização tecidual.

Para a alopecia, no entanto, falta um consenso sobre sua ação e benefícios. Na teoria, os fatores de crescimento estimulam as células do bulbo capilar e, assim, agem na formação de novas células. Com maior irrigação, os folículos ficam mais fortes, o que favorece o crescimento capilar.  

Contudo, são necessários mais estudos randomizados para comprovar a eficácia prática para a alopecia.

Como é feito o tratamento?

O plasma rico em plaquetas é injetado no couro cabeludo da paciente com alopecia androgenética feminina por meio de uma agulha e seringa. É recomendado repetir a terapia mensalmente para que os resultados sejam mais consistentes.

Existem riscos após a aplicação do PRP?

Uma das maiores vantagens da técnica de plasma rico em plaquetas é que ele não oferece riscos de rejeição, visto que o material aplicado no couro cabeludo é proveniente do paciente. Trata-se de uma transfusão do seu próprio plasma sanguíneo.

O plasma rico em plaquetas é liberado no Brasil?

Esta técnica ainda não está liberada no nosso país para fim de tratamento. O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprova o uso do PRP na dermatologia somente para estudos clínicos, após aprovação pelo comitê de ética.

Se você está começando a perceber os primeiros sinais de perda de cabelo, não se desespere! O plasma rico em plaquetas não é a única alternativa para solucionar esse problema. Consulte um médico dermatologista especialista o quanto antes para sanar suas dúvidas sobre calvície feminina e determinar o melhor tratamento para o seu caso.

Gostou do conteúdo? Então, entre em contato comigo hoje mesmo para cuidarmos da saúde do seu couro cabeludo!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Share This