Está com queda de cabelo? Você precisa de um dermatologista capilar

7 minutos para ler
Quando surge um problema de saúde, a quem você recorre? Tenho certeza de que você, assim como eu, prefere contar sempre com o apoio de um médico especialista. Logo, se os seus cabelos estão caindo muito ou fragilizados demais, por que não procurar quem realmente entende do assunto?

O dermatologista capilar é o médico mais habilitado para diagnosticar e tratar as questões dos cabelos e do couro cabeludo. Se você nunca ouviu falar nessa especialidade médica, não se preocupe: estamos aqui para mudar isso!

Continue a leitura deste post para conhecer melhor esse método que pode ajudar você resolver o seu problema.

O que é tricologia?

O dermatologista capilar é o médico que mais entende de tricologia — a ciência que estuda os cabelos. Esse ramo da pesquisa se originou no início do século XX, mas vem ganhando cada vez mais importância.

Não há como negar a relevância da saúde capilar para o bem-estar de uma pessoa. Os cabelos têm um valor indiscutível na estética humana. Além disso, quando os cabelos estão caindo demais, precisamos investigar se não há alguma doença grave por trás do problema.

Há muitas alterações sistêmicas, tais como o lúpus e algumas disfunções da tireoide, que causam queda dos cabelos. A anemia, o emagrecimento rápido e alguns medicamentos também podem alterar o couro cabeludo. Por isso, é importante que o paciente procure ajuda médica.

O que faz um dermatologista capilar?

Você pode até me perguntar: mas os dermatologistas não têm a mesma formação? Veja bem, qualquer médico que deseje se tornar um dermatologista precisa concluir a faculdade de medicina (6 anos) e, em seguida, a residência (3 anos).

São cerca de 9 anos de estudo para se especializar no diagnóstico e no tratamento de diversos tipos de doenças de pele, mucosas, cabelos e unhas. Após adquirir essa visão mais ampla, o profissional que desejar pode se aprofundar em uma especialidade.

Dessa forma, surge o dermatologista capilar: o médico dermatologista que continuou estudando e pesquisando a tricologia — com um mestrado, por exemplo. Logo, ele é o profissional mais qualificado para identificar e combater diversos problemas dos cabelos e do couro cabeludo.

Ao atender um paciente, o dermatologista capilar inicia sua investigação com uma série de perguntas (anamnese) e uma análise detalhada do cabelo (tricoscopia). Ao contrário de cabeleireiros e esteticistas, o dermatologista capilar pode solicitar exames de sangue e até mesmo uma biópsia do couro cabeludo, caso julgue necessário.

Além disso, ele é um profissional capacitado a prescrever remédios e tratamentos para restaurar a saúde dos fios. O dermatologista capilar pode, ainda, encaminhar o paciente a outros médicos caso o problema nos cabelos seja reflexo de outras desordens primárias no organismo — desbalanço hormonal, por exemplo.

Quando procurar um dermatologista capilar?

A queixa mais comum dos pacientes que buscam esse tipo de atendimento médico especializado é a rarefação excessiva dos cabelos. A preocupação com a calvície atinge homens e mulheres, e muitas vezes o problema tem origem em desordens metabólicas ou hormonais.

No entanto, essa não é a única razão para procurar um dermatologista capilar. O profissional também deve ser consultado em caso de:

  • dor no couro cabeludo;
  • foliculite (inflamação na base do cabelo);
  • dermatite seborreica (caspa);
  • psoríase do couro cabeludo;
  • mania de arrancar os fios de cabelo (tricotilomania);
  • queda excessiva (eflúvio telógeno);
  • ardência no couro cabeludo;
  • aparecimento de clareiras (áreas de alopecia total);
  • perda de pelos em outras áreas do corpo.

Quais são as reclamações mais comuns?

A seguir, listamos as principais razões para que as pessoas procurem um dermatologista capilar. Acompanhe!

Calvície

Nesse caso, nas mulheres os fios da linha da testa são preservados e o paciente não ganha “entradas”, mas o cabelo da parte de cima da cabeça vai ficando mais ralo. A tendência genética é que vai definir o grau de queda, mas o excesso de hormônios masculinos pode ajudar essa intensificação. Então, não existe tratamento de calvície sem antes fazer exames de sangue.

Queda capilar

Uma das categorias mais comuns de queda de cabelo é o eflúvio telógeno, caracterizado pela redução dos fios em toda a cabeça. A queda pode ser crônica ou aguda, e normalmente é provocada por dengue, febres altas, anemias, medicamentos, dietas radicais e no pós-parto. Queda de cabelo também pode ser sintoma de calvície, alopecia areata, alopecia cicatricial, etc.

Como esse profissional realiza o diagnóstico?

Por meio de uma lente acoplada à fotografia, é possível verificar, com zoom, alguns aspectos e sinais do couro cabeludo e das hastes (fios). Essas imagens podem ser digitalizadas para o computador e arquivadas para comparações futuras, de forma a avaliar a resposta individual do tratamento e a evolução de uma possível doença.

A tricoscopia é um exame feito no próprio consultório, normalmente simultânea à consulta ou em outra ocasião, se for o caso.

Para esse fim, o médico estrutura diversas questões e pode pedir os seguintes exames:

  • exame dermatoscópico do cabelo;
  • hemograma;
  • exame anatomopatológico;
  • tricograma ou fototricograma;
  • biópsia;
  • tricotest.

A partir dos resultados, o dermatologista capilar vai constatar possíveis empasses e indicar os tratamentos apropriados. Geralmente ele sugere um cronograma capilar, com procedimentos tópicos e medicação. No entanto, pode requerer técnicas como o laser e até a cirurgia, em casos específicos.

Como a formação do profissional é fundamental nesse processo?

Uma boa formação nessa área é essencial, pois o paciente procura melhorar sua autoestima e seu bem-estar. Caso o profissional não seja qualificado, ele pode piorar ainda mais a situação do paciente.

Como encontrar um tricologista de confiança?

Como os fios de pelos e cabelos são considerados tecidos cutâneos, é natural que o dermatologista seja o profissional mais indicado para estudar esse ramo da medicina que lida exclusivamente com a saúde desses tipos de célula.

Por isso, para encontrar um dermatologista especialista em tricologia, é importante buscar clínicas de dermatologia ou de estética de confiança — como a Clínica da Pele —, que contam com uma equipe de profissionais capacitados para atender vários perfis de pacientes e gerar resultados satisfatórios e seguros para eles.

Qual profissional pode se especializar nessa área?

Como vimos, a tricologia é uma área de ensino que vem obtendo cada vez mais destaque no Brasil, atraindo também uma grande busca por parte de outros profissionais.

Existe um curso de pós-graduação em Tricologia Cosmética, que é direcionado a vários profissionais do setor da saúde implicados no tratamento capilar, como:

  • farmacêuticos;
  • esteticistas;
  • engenheiros químicos;
  • biomédicos;
  • químicos industriais.

Vale ressaltar que esses profissionais estão incluídos no sistema de prevenção, tratamento e combate, mas eles não substituem a consulta com o médico tricologista. Esse necessita ser médico, ser dermatologista, ser da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), passar por uma prova de título e depois se atualizar em tricologia.

Existem também profissionais que têm mestrado em calvície feminina. Esses profissionais participam de congressos nacionais e internacionais com uma certa frequência para estarem sempre atualizados sobre o assunto.

O dermatologista capilar é, antes de tudo, um médico que fez mais um ano de residência em clínica médica e mais dois anos de residência em dermatologia. Lembre-se: ele é o profissional mais capacitado para investigar a estrutura e o padrão do couro cabeludo e dos cabelos do paciente. Esse profissional pode traçar um diagnóstico preciso e definir opções de tratamento mais adequadas para devolver a saúde e a autoestima ao paciente.

Gostou de saber mais sobre a tricologia e o dermatologista capilar? Para ter acesso a outras informações sobre o assunto, entre em contato!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Share This