Foliculite queloidiana da nuca: conheça as causas e tratamentos

4 minutos para ler

Você já ouviu falar sobre a foliculite queloidiana da nuca? Essa doença, uma forma crônica e de longa duração da foliculite, deixa cicatrizes com crescimento anormal de tecido na região posterior do pescoço e da cabeça, conhecidas como queloides.

Mais comum nos homens, especialmente entre a população mais jovem e de afrodescendentes, esse tipo de foliculite provoca muita coceira, além de afetar negativamente a estética de quem sofre com esse problema.

Quer descobrir mais sobre essa doença? Então continue a leitura! Neste post, separei tudo o que você precisa saber sobre a foliculite queloidiana da nuca. Vamos conferir?

O que causa esse tipo de foliculite?

Entre as causas mais comuns da foliculite queloidiana da nuca estão:

  • encravamento de pelos grossos e curvados;
  • cortes de cabelo muito rente ao couro cabeludo;
  • irritação crônica da epiderme na região;
  • atrito com bonés, gorros, chapéus e gola de camisetas;
  • transpiração excessiva;
  • falta de higiene;
  • infecção por bactérias, vírus ou fungos.

Quais são os sintomas desse problema?

As primeiras manifestações dele incluem a formação da foliculite, com pústulas, que são bolhas de pus, e pápulas, as lesões elevadas na pele, as quais ocorrem no folículo piloso e envolvem o pelo ao se desenvolver.

Nessa primeira fase, essas manifestações provocam muito prurido e, em alguns pacientes, podem até causar dor. Em alguns casos da doença, ocorre também a formação de abcessos e fístulas, que soltam pus.

Com a evolução do quadro, o número de lesões que surgem na região da nuca cresce, elas se unem em aglomerados e começam a cicatrizar, processo no qual aumentam de tamanho e formam as placas queloidianas.

A região atingida pela foliculite costuma perder grande quantidade de cabelos, o que é chamado de alopecia cicatricial, ou apresenta fios encravados e partidos entre as cicatrizes.

Como é o tratamento?

Primeiramente, é importante destacar que a foliculite queloidiana não tem cura, mas o tratamento é fundamental para evitar que a doença se agrave e provoque ainda mais danos ao seu couro cabeludo e nuca.

Prevenção

Entre as medidas necessárias, a prevenção é um ponto de destaque. Evite cortar o cabelo muito curto e nunca raspe os seus cabelos — isso pode irritar a pele e fazer com que os pelos encravem, o que facilita muito o surgimento das lesões.

Ademais, não use acessórios na cabeça e tome cuidado com as roupas, que podem fazer atrito na região e quebrar os fios, pois isso faz com que eles encravem mais facilmente.

Não descuidar da higiene também é muito importante, especialmente, utilize shampoos ou loções antissépticas. Assim, fica muito mais fácil evitar que infecções se desenvolvam no local.

Tratamento

Logo após perceber que as primeiras manifestações da foliculite queloidiana estão se instalando na sua nuca, procure seu médico imediatamente para um diagnóstico e tratamento precoce.

Dessa forma, você evitará que a doença progrida e que lesões ainda piores apareçam, as quais são mais difíceis de controlar e deixam cicatrizes definitivas.

O dermatologista prescreve medicações como antibióticos e anti-inflamatórios de uso tópico ou oral, dependendo da gravidade da sua condição. Caso as lesões estejam na fase aguda, corticoides também poderão ser receitados.

A isotretinoína, um ativo utilizado para o tratamento de acne severa, também é uma ótima opção para pacientes que apresentam foliculite queloidiana da nuca resistente.

Ademais, pesquisas realizadas com tratamentos a laser confirmam que essa é uma nova terapêutica para controlar a patologia.

Assim, consulte o médico dermatologista. Essa é a única maneira de receber o tratamento ideal para a foliculite queloidiana da nuca e, assim, evitar que seu quadro evolua. Além disso, nada de tentar controlar essa situação sozinho, ok? A automedicação é uma atitude muito perigosa para sua saúde.

Que tal procurar ajuda agora mesmo? Entre em contato conosco e receba o melhor tratamento dermatológico para cuidar da sua foliculite!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Share This