saiba-quais-podem-ser-as-causas-da-dor-no-couro-cabeludo.jpeg

Saiba quais podem ser as causas da dor no couro cabeludo

Você já sentiu dor no couro cabeludo? A primeira vez que ouvi isso achei muito estranho. Imaginei que a paciente tinha amarrado os cabelos com força ou batido a cabeça em algum lugar… Mas depois comecei a me aprofundar no assunto e ainda por cima eu mesma tive tricodínea. Sim!!! O nome é esse: tricodínea! É a sensação de dor, ardência, incômodo no couro cabeludo que surge de maneira espontânea e pode incomodar demais….Aliás, descobri que esse é um sintoma que precisa ser muito bem investigado, pois pode representar uma doença já instalada no couro cabeludo.

Veja agora o que pode causar dor no couro cabeludo e quais as melhores formas de tratá-la!

Calvície ou alopécia androgenética

A tricodínea é uma manifestação muito comum na calvície, principalmente feminina, e coincide com os períodos de piora da doença. Uma porcentagem das mulheres portadoras de alopécia androgenética evolui em surtos. São nessas ocasiões que a queda de cabelo fica mais intensa e a dor aparece. O especialista saberá diferenciar entre tricodínea e eflúvio telógeno.

Excesso de oleosidade

A oleosidade em si não é a causadora da dor de forma direta. Porém, o excesso de gordura no couro cabeludo pode causar um problema chamado dermatite seborreica, mais popularmente conhecida como caspa. Essa, por sua vez, pode evoluir com ardência.

Produtos químicos

Não é incomum ver pessoas que usam produtos químicos nos cabelos se queixando de dor no couro cabeludo. Algumas delas têm o hábito de aplicar colorações, produtos alisantes e dar relaxamento nos fios. Todas essas agressões de forma frequente acabam por deixar o couro cabeludo mais sensível que o normal e, assim, a dor aparece.

É preciso ter muito cuidado com os produtos que são aplicados nos cabelos pois podem causar bastante irritação e até queimaduras. O ideal é aplicar primeiro em uma pequena região para ver a reação e, se tudo correr bem, aplicar no restante dos fios.

Exposição solar

Você já esteve caminhando na rua em um dia muito quente, ou mesmo na praia, e sentiu dor no couro cabeludo? Isso acontece bastante com pessoas calvas e também com aquelas que têm os fios muito finos ou pouco cabelo. O couro cabeludo fica mais exposto ao sol e, assim, pode provocar queimaduras e, consequentemente, a dor.

Para que isso não aconteça, evite sair nos horários mais quentes do dia ou se expor demais na praia. Procure itens que possam proteger a sua cabeça, como chapéus, lenços ou bonés, e tente ficar o máximo de tempo debaixo de uma sombra. Hoje nós sabemos que a radiação ultravioleta pode deteriorar as proteínas do bulbo piloso e causar a morte precoce dos cabelos. Além disso a radiação UVB promove perda da integridade das cutículas e a radiação UVA promove oxidação da melanina, clareando os fios.

Cabelos tracionados

Quando prendemos os cabelos por muito tempo ou de forma muito firme, como num coque ou rabo de cavalo, é comum sentirmos dor no couro cabeludo por conta do tracionamento dos fios. Inclusive, algumas pessoas sentem até dor de cabeça. Isso defitivamente não é saudável.

A solução para isso é bem simples: tente não prender o cabelo de forma tão forte e solte-o, às vezes, para aliviar esse tracionamento. 

Alodinia

A alodinia é uma condição na qual os receptores para a dor, que estão espalhados por toda a extensão da nossa pele, passam a responder aos estímulos de forma exacerbada, mesmo àqueles que não são dolorosos como um simples toque. Essa dor extrema também é chamada de hiperalgesia.

São estímulos simples e que, normalmente, não causariam dor. Por exemplo, escovar os cabelos pode ser um grande problema para quem tem alodinia. Ainda não se sabe exatamente sua causa, mas acredita-se que haja algum distúrbio no mecanismo de resposta da dor ou mesmo nos receptores presentes na pele.O tratamento pode ser feito com antidepressivos caso a dor seja muito importante e atrapalhe a qualidade de vida. Em alguns casos devemos encaminhar ao neurologista para certificar que não tenha nenhum componente orgânico no cérebro (tumor).

Quando procurar o especialista

Se algumas mudanças nos seus hábitos, como não prender o cabelo constantemente, usar proteção física ao se expor ao sol ou evitar o uso de produtos químicos, não está resolvendo o problema da dor, então está na hora de procurar um especialista. O dermatologista especializado em tricologia é uma boa pedida. Afinal esse é um assunto bem específico e a maioria dos profissionais tende a ignorar (o que é uma pena) por falta conhecimento da causa.

O tricologista é quem consegue fazer um diagnóstico acurado e observar todos os detalhes com o exame físico e a tricoscopia, além dos exames de sangue e uma anamnese completa. 

Você já sentiu tricodínea ou quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato comigo!

Comments (1)

  1. Ola! Vendo seu post sobre tricodínea pude perceber o que pode estar acontecendo com uma pequena cliente minha.ela tem 8 anos de idade e mal podemos tocar os cabelos dela, porque sofre de dor.
    As vezes as pessoas acham ser birra da parte dela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This
Navegação