Você sabe o que é dermatologia integrativa? Veja agora!

5 minutos para ler

A medicina convencional, com a filosofia de super especialização, trata as doenças de pele de forma mais “isolada”, sem observar de maneira muito atenta a saúde como um todo. No entanto, a maioria das doenças estão claramente associadas a questões orgânicas sistêmicas, por isso é importante investigar os inúmeros aspectos envolvidos. E por isso os dermatologistas da Sociedade brasileira de dermatologia fazem 1 ano de clínica médica antes de entrar na residência de dermatologia de fato. 

É essa abordagem total que a dermatologia integrativa faz. Já ouviu falar nesse termo? É um nome novo,mas não é uma especialização nova. Sua finalidade é ampliar o olhar sobre os problemas que causam determinados sintomas na pele. Essa leva em consideração toda a qualidade de vida do paciente e como isso interfere na saúde da pele. 

Para entender melhor como essa especialidade funciona na prática, organizei os diferentes aspectos separadamente para ajudar você a compreender cada um. Acompanhe o post e saiba mais!

Fisiológica

Nessa abordagem, são exploradas as noções de localização da doença, ou seja, onde ela está se manifestando: no rosto, no couro cabeludo ou em outras partes do corpo. Investigam-se os sintomas que o paciente apresenta, com o interesse dirigido a ele como um todo, e não apenas à lesão em si.

Comportamental

Aqui, a atenção é voltada às condutas praticadas pelo paciente, que podem melhorar ou piorar seu estado. A partir disso, são indicadas mudanças de hábito com prescrições que orientam as transformações indispensáveis para eliminar a doença.

Por exemplo: um indivíduo portador de lúpus eritematoso cutâneo será orientado a não se expor ao sol sem a devida proteção. Muitas vezes, o paciente tem consciência da necessidade de ter esse cuidado, mas não toma as medidas indicadas.

Assim, o papel da abordagem comportamental é informar e empregar essas orientações nas mudanças de atitude.

Cognitiva

É uma maneira de estimular o paciente a refletir sobre sua doença e compreender os motivos pelos quais ela se manifestou daquela maneira e naquele momento.

Quando isso é feito com sucesso, fica mais fácil envolver o paciente no processo de aceitação e cura, estabelecendo um planejamento de melhora na qualidade de vida junto a um tratamento medicamentoso.

Afetiva

A abordagem afetiva ajuda o paciente a elaborar melhor as sensações negativas que ele tem em razão do seu estado. Ajuda a entender suas emoções, as circunstâncias que deram origem ao problema, os mecanismos de defesa e seus significados.

Dessa forma, é possível ajudar a pessoa a diminuir suas resistências e fazer o tratamento corretamente, aproximando-a, o máximo possível, da harmonia necessária para alcançar a cura.

Sistêmica

É preciso entender a associação da dermatose com outras doenças sistêmicas. Essa análise é feita uma vez que muitas doenças dermatológicas são reflexo de outras até mais graves. Daí a importância de investigar qual a possível origem do problema, considerando a manifestação da doença de uma forma ampla.

Ecológica

Nesse ponto, o profissional examina o modo como o paciente lida com a reação das pessoas do seu meio social à doença que ele enfrenta. Por exemplo: como um adolescente com acne está se relacionando socialmente durante o período em que está enfrentando essa dermatose?

A doença interfere nas atividades sociais, como namorar, ir a festas? São questões que o profissional terá de considerar e incluir no processo terapêutico como mais um instrumento para auxiliar na cura.

A dermatologia integrativa reúne uma complexidade de elementos para ajudar os pacientes a encontrar a cura de forma mais efetiva. Por isso, é fundamental entender que apenas um médico dermatologista está habilitado para essa função.

Ele deve ter formação em clínica médica, com, pelo menos, um ano de residência e foco na manutenção da saúde. O especialista nessa área deve procurar prescrever menos medicamentos convencionais e optar por mais produtos naturais.

Além disso, é importante olhar o paciente como um todo, interessando-se pelos seus hábitos, histórico familiar, doenças pregressas, preferências, enfim, tudo o que ele é como ser humano.

Cada ponto de contato com a história da pessoa conta e pode contribuir muito com o restabelecimento da saúde da pele. O tratamento por meio da dermatologia integrativa pode ser feito em qualquer caso de dermatose e traz resultado não apenas estético, mas também mental e físico de forma global.

Zele pela sua saúde e procure sempre clínicas com reconhecimento no mercado para garantir mais tranquilidade e eficácia ao seu tratamento.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Share This